28.03.2018
Estreante no cenário, ion já se prova veterano na Team oNe
Pro player de apenas 18 anos tem demonstrado muita personalidade em sua primeira temporada
Ubisoft e-Sports/Gui Caielli

Por Luiz Queiroga


Tom Clancy’s Rainbow Six Siege é realmente um jogo viciante. Você compra despretensiosamente o game, reúne seus amigos online, nem treina nos Cenários e já parte para as Casuais. Quando você percebe, o relógio já sinaliza que é outro dia - e você ali, jogando, com seus pais já sem voz exigindo que se desligue o computador.

Após muitas - muitas mesmo - horas de tiro, porrada e bomba, por que não encarar uma partida da Ranqueada? Que mal tem… Só pra ver como você se sai. E aí, quando menos espera, está jogando diante dos principais nomes do cenário competitivo de R6 e brigando por títulos.

O que para muito fã do shooter essa trajetória seria apenas um sonho, para Ronaldo Koji Osawa Filho já se tornou realidade. Conhecido como ion, o garoto de apenas 18 anos figura como um dos principais nomes da line-up da Team oNe - e do cenário em geral. Mesmo sendo sua estreia como profissional, ele já deu provas de jogar como veterano.

Antes de falar do presente, porém, é preciso olhar para o passado e agradecer a quem possibilitou que esse sonho virasse realidade. “Eu devo isso tudo ao Hugzord”, respondeu em entrevista exclusiva à ESL BRASIL.

“Ele já tinha me chamado pra antiga NOX, mas eu não tinha idade e o GdNN1 também não. Então ficamos esperando fazer 18 anos pra entrar na line-up.” Os planos, porém, fugiram do esperado. “No caso, não deu muito certo a line”, se limitou a dizer.

Mas havia uma luz no fim do túnel. “Quando decidi minha saída [da NOX], ofereci ao ion uma vaga e ele decidiu vir”, explicou Vitor Hugo “Hugzord” Meneses.

Recruta? Negativo!

Todo novato em Rainbow Six Siege é apelidado de Recruta, até mesmo por conta do famigerado operador que é habilitado inicialmente para quem está começando a jogar o shooter. E a imagem do Recruta não é lá muito positiva nas Casuais, sempre gerando desconfiança dos outros players.

Se a experiência de ion é de Recruta, o potencial desde já é de um operador de elite. Ele não sentiu a pressão em jogar finalmente como profissional. A aposta de Hugzord havia sido calculada. “Conheci o ion jogando ranqueada. Ele jogou uma temporada inteira comigo e eu vi que ele tinha uma noção mais avançada”, relembrou.

O suporte, como bom tutor, não deixa de corrigir os pontos que ion precisa melhorar quando é necessário. “Ainda dou muitos puxões de orelha nele, mas estamos indo.”

Vitor Hugo, no fim, é só elogios para a jóia em processo rápido de lapidação. “O fino que ele vem jogando é fruto de dedicação dele mesmo, que vem fazendo um ótimo trabalho na sua primeira Pro League.”

E os números impressionam mesmo. Ao lado de jogadores mais experientes, como Dimas “Panico” Júnior e João “iblackZ” Chiarelli, o jovem tem se destacado à sua maneira. Entry fragger da equipe, Ronaldo demonstrou evolução desde a estreia no cenário profissional diante da BootKamp.

No jogo de rematch contra a BK, uma performance tímida, com um rating apenas de 0,31 - mas num confronto no qual o coletivo da T1 também ficou abaixo da média.

Pelo Brasileirão de Rainbow Six, a estatística só aumentou: diante da Team Liquid, ion foi Top-3 da equipe com 0,71 de avaliação. Contra a BootKamp novamente, rating de 0,41, ficando apenas abaixo de Panico, que somou 0,45.

Para um entry fragger, que é responsável por chamar as kills e obter vantagem numérica diante do adversário, o dado que é muito analisado é o de K.D. Nessa estatística, ion teve um crescimento mais visível ainda: 0,38 contra a BK na Pro League; 0,86 diante da Liquid; e 1,75 contra a BK agora pelo BR6.

Números que dão tranquilidade para Osawa focar apenas em jogar o que sabe. “Consegui trabalhar bem com meu time e mostrar meu individual em algumas situações.” Nem o próprio player esperava um começo bom de temporada. “Não poderia pedir uma estreia melhor!”

Sem pressão na Pro League

Em função da derrota para a BK na PL, agora a Team oNe vive um momento delicado no torneio: mais um revés significa jogar a Relegation. E bem… “Nenhum time quer enfrentar a Relegation!!!”, ion fez questão de reforçar.

Mesmo sendo a primeira vez que sente na pele esse tipo de situação, o jogador demonstra frieza. “Não vejo nenhuma pressão. Jogo é jogo!”

A T1 terá pela frente na noite desta quarta-feira (28) a RED Canids pela chave de Perdedores do grupo A. A equipe de ion chega num momento melhor, como você pode conferir no pré-jogo, mas longe de ser motivo para que encare o confronto como fácil.

“Nesse início de temporada, conseguimos resultados melhores do que a RED, mas eles não são um time fraco. Muito pelo contrário.” A projeção é de “ser um jogo bem disputado.”

O discurso é de gente grande, agora é ver se ion vai conseguir performar assim também nessa fase dramática de PL para a Team oNe. Potencial já mostrou, assim como muita personalidade. A ver!

 

Luiz Queiroga é jornalista da ESL BRASIL. Siga-o no Twitter!